terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Palavras - Poema de Cecilia Meireles




ESPADA entre flores,
Rochedo nas águas,
Assim firmes, duras,
Entre as coisas fluídas,
Fiquem as palavras,
As vossas palavras.

Pois se por acaso
Dentro dos sepulcros
Acordassem as almas
E em sonhos confusos
Suspirassem rumos
De história passadas
E houvesse um tumulto
De ânsias e de lágrimas,

- lembrassem as lágrimas
caídas no mundo
nas noites amargas
cercadas dos muros
das vossas palavras.
Todas as palavras

Nos espelhos puros
Que a memória guarda,
Fique o rosto surdo,
A música brava
Do humano discurso.
De qualquer discurso.

Só de morte exata
Sonharão os justos,
Saudosos de nada,
Isentos de tudo,
Pascendo auras claras,
Livres e absolutos,
Nos campos de prata
Dos túmulos fundos.

No meio das águas,
Das pedras, das nuvens,
Verão as palavras:
Estrelas de chumbo,
Rochedos de chumbo.
A cegueira da alma.
O peso do mundo.

Adeus, velhas falas
E antigos assuntos!

Cecília Meireles


12 comentários:

  1. Um poema para ler em silêncio, dobrando as letras com muita suavidade.
    As boas palavras permanecem como rochas que as tornam mais fortes e vivas.

    ResponderEliminar
  2. Olá Maria
    Lindo este poema de Cecília Meireles nada melhor para começar um dia de trabalho ao ler algo de tão belo. Obrigado por mais esta partilha.
    Beijo

    ResponderEliminar
  3. pARABÉNS PELA ESCOLHA.
    tE DEIXO O MEU ACRINHO NOS VERSOS ABAIXO.

    Sou entre flor e nuvem,
    estrela e mar. Por que
    havemos de ser unicamente
    humanos, limitados em chorar?
    Não encontro caminhos fáceis
    de andar. Meu rosto vário
    desorienta as firmes pedras
    que não sabem de água e de ar.

    Cecília Meireles

    Beijo
    MaRA

    ResponderEliminar
  4. Lindo e harmonioso poema. palavras, palavras sempre belas.
    Muito belo.

    ResponderEliminar
  5. Olá Maria!
    Belo poema De Cecilia Meireles!!!Parabéns pela escolha...
    Beijinhos de carinho e amizade,
    Lourenço

    ResponderEliminar
  6. Maravilhosa essa poesia de Cecilia Meireles!A cegueira da alma...sempre reflexivo poetar!Bjs,

    ResponderEliminar
  7. Lindo e harmonioso poema que leio com a alma e o guardo em meu coração.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  8. ....

    Olá, amiga!
    Parabéns pela escolha do poema.
    A poesia de Cecília Meireles é, de facto, especial.

    Um abraço

    ResponderEliminar
  9. Cecília sempre disse tudo de forma tão simples e leve, mas nunca deixou de dizer o que realmente queria...
    Abraços

    ResponderEliminar
  10. Querida Maria,
    adorei o poema; muito belo mesmo.
    Obrigado por o partilhar comnosco.
    Beijinho

    ResponderEliminar
  11. Quando te falo e sei que me ouves
    sinto como se minha voz voltasse
    como um eco através dos horizontes
    e apenas por isso
    já sou feliz.

    Lou Witt

    Beijos e carinhos meus......M@ria

    ResponderEliminar
  12. Quando te falo e sei que me ouves
    sinto como se minha voz voltasse
    como um eco através dos horizontes
    e apenas por isso
    já sou feliz.

    Lou Witt

    Beijos e carinhos meus......M@ria

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.