quarta-feira, 20 de outubro de 2010

O teu riso - Poema de Pablo Neruda


Tira-me o pão, se quiseres,
tira-me o ar, mas não
me tires o teu riso.

Não me tires a rosa,
a lança que desfolhas,
a água que de súbito
brota da tua alegria,
a repentina onda
de prata que em ti nasce.

A minha luta é dura e regresso
com os olhos cansados
às vezes por ver
que a terra não muda,
mas ao entrar teu riso
sobe ao céu a procurar-me
e abre-me todas
as portas da vida.

Meu amor, nos momentos
mais escuros solta
o teu riso e se de súbito
vires que o meu sangue mancha
as pedras da rua,
ri, porque o teu riso
será para as minhas mãos
como uma espada fresca.

À beira do mar, no Outono,
teu riso deve erguer
sua cascata de espuma,
e na primavera , amor,
quero teu riso como
a flor que esperava,
a flor azul, a rosa
da minha pátria sonora.

Ri-te da noite,
do dia, da lua,
ri-te das ruas
tortas da ilha,
ri-te deste grosseiro
rapaz que te ama,
mas quando abro
os olhos e os fecho,
quando meus passos vão,
quando voltam meus passos,
nega-me o pão, o ar,
a luz, a primavera,
mas nunca o teu riso,
porque então morreria.

Pablo Neruda


9 comentários:

  1. Já é o terceiro post que encontro, redirecionadp ao sorriso!!!...Pois eu já estou sorrindo...
    Beijo

    ResponderEliminar
  2. Maria, uma poesia encantadora! A imagem, sem comentários...
    Um presente que você nos dá.
    Beijos, um lindo dia!

    ResponderEliminar
  3. Será sempre lindo este poema de Neruda.

    Boa escolha, quando, cada vez mais, vamos tendo pouca vontade de rir.

    Beijo

    ResponderEliminar
  4. O sorriso vai sendo cada vez mais preciso!

    Beijinhos risonhos ;-)

    ResponderEliminar
  5. Maravilhoso este poema de Pablo Neruda...Sorrir é preciso, numa altura em que o roste se apresenta cheio de nuvens...
    Beijo
    Graça

    ResponderEliminar
  6. Minha querida
    Um poema lindo e muito leve, para entrar nos corações.
    Adorei as imagens também, complementa.

    Deixo o meu carinho e um beijinho
    Sonhadora

    ResponderEliminar
  7. Gosto destes tons lilás rsrsrsr.
    Na zona onde resido há vários monumentos a Pablo Neruda, poeta que adoro.
    Bjs

    ResponderEliminar
  8. Aprendi a gostar de Neruda, principalmente após ganhar um livro de cabeceira; foi presente da minha filha; inesquecível!!

    Abraços

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.