quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Mar – Poema de Sophia de Mello Breyner Andresen




Mar, metade da minha alma é feita de maresia
Pois é pela mesma inquietação e nostalgia,
Que há no vasto clamor da maré cheia,
Que nunca nenhum bem me satisfez.
E é porque as tuas ondas desfeitas pela areia
Mais fortes se levantam outra vez,
Que após cada queda caminho para a vida,
Por uma nova ilusão entontecida.

E se vou dizendo aos astros o meu mal
É porque também tu revoltado e teatral
Fazes soar a tua dor pelas alturas.
E se antes de tudo odeio e fujo
O que é impuro, profano e sujo,
É só porque as tuas ondas são puras.


Sophia de Mello Breyner Andresen

6 comentários:

  1. Querida amiga, lindo poema falando de mar. Beijocas

    ResponderEliminar
  2. A foto é belíssima, e o poema ídem!

    Carinhoso abraço,

    ResponderEliminar
  3. Adoro Sophia de Mello Breyner Andresen, tenho todos os seus poemas guardados num blogue pessoal.
    Uma foto apropriada à beleza da poesia.

    beijinhos

    ResponderEliminar
  4. Gosto muito dos poemas da Sophia e este é um dos meus preferidos.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  5. Tão lindo! e dá uma calma após ler.Parabéns,Maria!
    Boas energias,que seu dia seja de plena felicidade.
    Mari Amorim

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.