domingo, 29 de agosto de 2010

Contemplo o que não Vejo - Poema de Fernando Pessoa





Contemplo o que não vejo.
É tarde, é quase escuro.
E quanto em mim desejo
Está parado ante o muro.

Por cima o céu é grande;
Sinto árvores além;
Embora o vento abrande,
Há folhas em vaivém.

Tudo é do outro lado,
No que há e no que penso.
Nem há ramo agitado
Que o céu não seja imenso.

Confunde-se o que existe
Com o que durmo e sou.
Não sinto, não sou triste.
Mas triste é o que estou.

Fernando Pessoa



6 comentários:

  1. Querida amiga, Fernando Pessoa, sempre escrevendo poesias tristes, mas sempre lindas...Tenha um lindo final de semana...Beijocas

    ResponderEliminar
  2. E que dizer de um poema tão bonito de Fernando Pessoa ?
    depois de ler e reler apetece-me dizer como ele
    -...não sou triste, mas triste é que estou.

    ResponderEliminar
  3. Maria, bom dia! Sabe que eu ficava sempre comparando em termos de grandeza, Pessoa e Drummond? Depois que li bastante os dois (eu os amo igualmente) e depois também que ganhei o Livro do Desassossego do Pessoa, cheguei à conclusão que ele tem sido, para mim, o maior poeta de todos os tempos. Abração e um ótimo dia! Paz e bem.

    ResponderEliminar
  4. Fernando Pessoa e a sua maneira de sentir a vida:)))


    Beijo,

    ResponderEliminar
  5. Minha querida Maria
    Sempre a melancolia de Pessoa, que eu adoro.

    Beijinhos com carinho
    Sonhadora

    ResponderEliminar
  6. Um poema onde Fernando Pessoa nos relata com belas palavras mais um de seus momentos vividos, com afinco e sabedoria...

    Fique na paz

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.