domingo, 9 de maio de 2010

Solidão - Poema de Cecilia Meireles


Imensas noites de Inverno,
com frias montanhas mudas,
é o mar negro, mais eterno,
mais terrível, mais profundo.
Este rugido das águas
é uma tristeza sem forma
sobe rochas, desce fráguas
vem para o mundo e retorna...

E a névoa desmancha os astros,
e o vento gira as areias
nem pelo chão ficam rastos
nem pelo silêncio estrelas

A noite fecha seus lábios
- terra e céu - guardado nome.
E os seus longos sonhos sábios
geram a vida dos homens.

Geram os olhos incertos,
por onde descem os rios
que andam nos campos abertos
da claridade do dia.

Cecília Meireles


"Só tenho uma certeza, é que o Amanhã é uma grande incerteza e que por isso, devemos aproveitar ao máximo o dia de Hoje"

12 comentários:

  1. Lindíssimo poema da minha sempre amada Cecília.
    Grato pela partilha.

    "Há pessoas que nos falam e nem as escutamos, há pessoas que nos ferem e nem cicatrizes deixam mas há pessoas que simplesmente aparecem em nossas vidas e nos marcam para sempre."

    Cecília Meireles.

    Beijo.

    ResponderEliminar
  2. ''Olá Maria!

    Vim agradecer a sua estimavel visita ao
    meu blogs tambem pelo o lindo verso que
    a me desxasce muito o brigada, muita luz
    para tí!
    E um feliz dia das mãe! recheado de muitas enoções!!

    Abraços Fraternos Ademir Alves

    Maria! se tiver um tempinho, convido a visitar
    o meu novo bloges! http://bordasdeouro.blogspot.com/
    E desde já agradecido?
    Ate breve!!!

    ''O AROMA DAS FLORES.!!!

    Vim trazer-te o aroma das flores!
    Apureza cultivada na essência da vida
    Os pensamentos do vérbo do amor
    Carregados da mais pura nitidez
    Os encantos dos caminho, da mais pura alma
    Em palavras de sensibilidade, de uma poesia.
    Em um cantico coberto de sabedoria
    Carregadas de simples, palavras doces
    Trazidas em fragancias aromáticas
    O carinho mais profundo dos amores
    Em plenitudes e virtudes do criador...

    Ademir-Alves |Sz|
    http://paginadapoesia.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  3. QUERIDA MARIA, BELÍSSIMO POEMA QUE ESCOLHESTE...PARABÉNS...!
    ABRAÇOS DE CARINHO E TERNURA,
    FERNANDINHA

    ResponderEliminar
  4. Hoje,Maria,o dia das mães reverenciamos nessa terrinha Brasil,daí minha homenagem nesse domingo mater,a todas as mininas do mundo!

    bzu mãos suas,pessoa!

    vva la vida

    ResponderEliminar
  5. Boa tarde amada.
    Muito obrigado pela visita.
    Cecília Meireles é um prato cheio de romantismo.
    Parabéns pela escolha.Me perdoe pelo atraso mas eu ando numa correria sem fim amiga.
    Um beijo grannnnnde.

    ResponderEliminar
  6. Obrigada pelas palavras deixadas no meu espaço.
    Um poema muito bonito.
    tulipa

    ResponderEliminar
  7. Olá Maria!
    Belo poema e bonita imagem!
    Beijinhos e uma boa semana!

    ResponderEliminar
  8. Olá Maria,
    Obrigado pela delicada opinião deixada no Azimute.
    Poema perfeito e imagens de eleição.
    Sentimo-nos sós quando nos perdemos de nós mesmos e procuramos em vão pela nossa alma.
    Bjis

    ResponderEliminar
  9. Nesse poema como o eu-lírico retrata a própria solidão?!
    Alguém me ajude por favor...

    ResponderEliminar
  10. Nesse poema de Cecília Meireles, como o eu-lírico retrata a própria solidão?!
    Alguém pode me ajudar por favor?!

    ResponderEliminar
  11. It's going to be finish of mine day, however before ending I am reading this fantastic post to improve my know-how.
    Take a look at my site english premier league transfer news chelsea

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.