segunda-feira, 1 de março de 2010

Agatha Christie


Adoro livros e filmes policiais e uma das minhas escritoras preferidas é Agatha Christie (1891-1976).


Desde jovem que os seus livros me fascinam, sempre que comprava um livro novo, não descansava até chegar ao fim da história. Hoje existem filmes com o seu personagem " Hercule Poirot", quando surge algum filme novo é fatal que o meu marido, sabendo desta minha "paixão" o compra, para eu poder ver no conforto da minha casa.



Agatha Christie é conhecida de milhões de pessoas em todo o mundo como a Rainha do Crime, ou, como ela preferia, a Duquesa da Morte — nasceu em Torquay, Inglaterra.
O pai chamava-se Frederick Miller e ela foi registada com o nome de Agatha Miller.



Casou-se pela primeira vez em 1914, com o Coronel Archibald Christie, piloto do Corpo Real de Aviadores. O casal teve uma filha, Rosalind, e divorciou-se em 1928.
Em 1914 deflagrou a Primeira Guerra Mundial e Agatha foi trabalhar num hospital e essa experiência foi-lhe útil mais tarde. O seu primeiro livro foi publicado em 1920,The Mysterious Affair at Styles. Baseava-se em parte na sua experiência como enfermeira e Styles era uma réplica de Torquay. A história é um retrato esclarecedor da Grã-Bretanha a recuperar da Grande Guerra de 1914-18, e embora ela dissesse que não gostava de descrições, ao escrever Styles mostrou ter um agudo poder de observação para registar história social. É neste livro que os leitores conhecem Hercule Poirot, o excêntrico detective belga do bigode invulgar. Mas os livros de Agatha chamaram a atenção pela primeira vez quando ela publicou The Murder of Roger Ackroyd.



Agatha, ela própria, foi notícia quando desapareceu durante alguns dias, depois de o marido ter pedido o divórcio. Soube-se, pouco tempo depois, que esteve instalada num hotel sob nome falso. O seu desaparecimento ainda hoje é um mistério.
Em 1930, casou-se com o arqueólogo Sir Max Mallowan. Mallowan era 14 anos mais jovem do que a escritora. As suas viagens contribuíram com material para vários dos seus romances situados no Oriente Médio. O casamento duraria até a morte da escritora.



Ao longo da sua carreira, escreveu cerca de setenta romances e mais de uma centena de contos. Os seus personagens mais famosos são Hercule Poirot e Miss Marple.



Também escreveu alguns livros com Tommy e Tuppence Bresford, e em algumas das suas obras, por exemplo, Ten Little Niggers, não havia nenhum personagem particularmente destacado. As suas peças de teatro também a tornaram famosa, e a mais conhecida de entre todas, The Mousetrap, 1952, é muito provavelmente a peça de teatro mais conhecida no mundo. É, na história do teatro, a peça em cena há mais tempo de sempre, com o record de 8862 representações num só teatro.





Nos seus livros, ela leva o leitor, através do diálogo e de sugestões sem sentido, a seguir o caminho errado e faz-nos pensar numa determinada pista, enquanto o(s) assassino(s) se mantêm fora da nossa lista de suspeitos. Uma vez embrenhado no livro, a interessante teia de enredos e prefigurações envolvem o leitor, e mantêm a atmosfera de suspense. Por todas estas qualidades da sua escrita, A. Christie tornou-se um sucesso internacionalmente, tendo os seus livros sido traduzidos em mais línguas do que as obras de Shakespeare. Os seus livros venderam já mais de cem milhões de exemplares em todo o mundo.

Em 1971 recebeu o título de Dama da Ordem do Império Britânico.



Agatha Christie morreu em 12 de janeiro de 1976, aos 85 anos de idade, de causas naturais, em sua residência - Winterbrook, em Wallingford, Oxfordshire. Está enterrada no Cemitério da Paróquia de St. Mary, em Cholsey, Oxon.



Algumas das principais obras: "A primeira investigação de Poirot", 1920; "O assassinato de Roger Ackroyd", 1926; "Um crime no expresso do Oriente", 1933; "Cai o pano", 1975. Escreve ainda seis romances sob o pseudônimo de Mary Westmacott.


"Ler é sonhar pela mão de outrem. Ler mal e por alto é libertarmo-nos da mão que nos conduz. A superficialidade na erudição é o melhor modo de ler bem e ser profundo." (Fernando Pessoa)

Sem comentários:

Enviar um comentário

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.