terça-feira, 25 de janeiro de 2011

No Fundo do Mar - Poema de Sophia de Mello Breyner Andresen




No fundo do mar há brancos pavores,
Onde as plantas são animais
E os animais são flores.

Mundo silencioso que não atinge
A agitação das ondas.
Abrem-se rindo conchas redondas,
Baloiça o cavalo-marinho.
Um polvo avança
No desalinho
Dos seus mil braços,
Uma flor dança,
Sem ruído vibram os espaços.

Sobre a areia o tempo poisa
Leve como um lenço.

Mas por mais bela que seja cada coisa
Tem um monstro em si suspenso.

Sophia de Mello Breyner Andresen




5 comentários:

  1. Maria,que maravilhosa e feliz escolha esse poema!Simplesmente lindo demais esse mar!Bjs,

    ResponderEliminar
  2. Ola amiga maria que alegria poder compartilhar,
    algumas palavras para voce,adorei seu blog,muito
    especial,fico feliz quando encontro uma nova amigabelissima esta poesia,adoro tudo que diz espeito ao mar e a natureza,que Deus te abençoe sucesso com seu blog,venha visitar-me,estou te esperando,meu carinho para voce ,,Marlene

    ResponderEliminar
  3. Olá Maria, lindo poema que dispensa comentários. Beijos com carinho

    ResponderEliminar
  4. Sabes tenho uma grande admiração por Sophia.
    BJs

    ResponderEliminar
  5. Olá Maria
    Este poema fez-me retroceder no tempo, pois foram muitas as vezes que o trabalhei com as minhas crianças, na escola.
    Gosto muito da poesia da Sophia.
    Beijinhos
    Lourdes

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.