sábado, 22 de maio de 2010

Tarde no Mar - Poema de Florbela Espanca


A tarde é de oiro rútilo: esbraseia
O horizonte: um cacto purpurino.
E a vaga esbelta que palpita e ondeia,
Com uma frágil graça de menino,

Poisa o manto de arminho na areia
E lá vai, e lá segue ao seu destino!
E o sol, nas casas brancas que incendeia.
Desenha mãos sangrentas de assassino!

Que linda tarde aberta sobre o mar!
Vai deitando do céu molhos de rosas
Que Apolo se entretém a desfolhar...

E, sobre mim, em gestos palpitantes,
As tuas mãos morenas, milagrosas,
São as asas do sol, agonizantes...

Florbela Espanca


"Os que sonham de dia são conscientes de muitas coisas que escapam aqueles que sonham apenas à noite." (Edgar A. Poe)

5 comentários:

  1. Boa escolha.

    Beijo e faça o favor de ser feliz.

    ResponderEliminar
  2. BELO POEMA E A FRASE MUITO PERTINENTE...VOU VOLTAR CÁ. GRATA PELA MENSAGEM

    ResponderEliminar
  3. Olá querida
    Belo poema, BOA TARDE para você.
    Com muito carinho BJS.

    ResponderEliminar
  4. Maria!
    Que delícia seu blog.Passeio e passeio por ele
    e amo Florbela e tantos que encontro por aqui.
    Bom te ver em meu blog
    passa nesses aqui que tambem são meushttp://reflexodalma.blogspot.com/
    http://ob-servandoeab-sorvendo.blogspot.com/
    http://meusreflexoscontostextoseafins.blogspot.com

    ResponderEliminar
  5. Gostei muito da sua visita no meu blog e adorei visitar o seu. Voltarei.

    ResponderEliminar

“Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós” (Antoine de Saint-Exupery).

Obrigado pela sua visita e pelo carinho que demonstrou, ao dispensar um pouco do seu tempo, deixando aqui no meu humilde cantinho, um pouco de si através da sua mensagem.